Sobre a televisão
 
Ética e política 1: a política concentrada na corrupção
   
Ética e política 2: a política concentrada na corrupção
   
Os pressupostos da assimilação da TV à propaganda
   
Dois novos poderes: Ministério Público e ONGs
   
O Brasil norte-americano
   
O país que vendeu seu nome à TV
   
O afeto autoritário
   
O riso precisa ser idiota?
   
A pornografia leve de nossos canais
   
Os telejornais segundo a ética
 

OO

Este é um trecho de O afeto autoritário televisão, ética, democracia, que será publicado, pela Ateliê Editorial, em 2004.

 

A pornografia leve de nossos canais

Os canais pornográficos ou "adultos", como dizem os norte-americanos se difundiram entre nós. Mas é curioso: há uma hierarquia na nudez das mulheres. Assistam à TV Playboy, por exemplo, a mais famosa. Só por muita distração do canal é que vocês verão um pênis ou uma penetração. E isso porque ela não faz pornô hard, apenas soft.

Aliás, por volta de 1999 a propaganda da TV Playboy visava o casal e não apenas o homem. Uma mulher recomendava à amiga, enquanto malhava na academia, que assinasse o canal, como ela (e o marido) faziam. Sempre havia, portanto, um homem assistindo às mulheres nuas, só que acompanhado de sua parceira. Não seria um canal de masturbação masculina, uma espécie de calendário de borracharia com upgrade, porém um incentivo à erotização do casamento moderno. Mas essa é a ideologia do canal, não necessariamente o que ele faz.

Regra básica: quanto mais bela e famosa a mulher, por exemplo uma Pamela Anderson ou uma Jenny McCarthy, menor a chance de ela sequer simular um ato sexual. As mulheres que estrelaram algum número da revista usam lingeries provocantes, obviamente aparecem nuas mas tudo isso sob uma luz meio artística, meio sacralizante. Os dois adjetivos merecem aspas: o "artístico" está num estereótipo de bom gosto (quase kitsch) do nu feminino, enquanto o "sacralizado" está no fato de que essas mulheres ("nossas deusas", diz a Playboy impressa) são admiradas, não possuídas. Quando muito, num programa de trinta ou sessenta minutos com uma das deusas profanas, haverá uma cena de sexo apenas insinuada. É provável que a cena seja mostrada como um sonho, um devaneio. Ou seja, em vez de ser a mulher tomada por um homem, é ela quem tem a fantasia com ele. Ela controla a situação.

O jogo é complexo. O homem continua sendo o alvo por excelência do canal. Mesmo a propaganda do "canal casal" supõe que a mulher, como espectadora, se acrescente ao marido não que ela assine, sozinha, a emissora. Mas, por outro lado, quanto mais bela a mulher atriz, a mulher que vemos, menos ela será dominada. Seria um desdouro, uma diminuição ela aparecer fazendo sexo. Já ela ter fantasias não é problema. Aliás, a idéia é essa: um canal para você fantasiar.

Cenas mesmo de sexo, na TV Playboy, só ocorrem em filmes. Mas esses têm um padrão Playboy de qualidade. Não se mostra o pênis, nem a intimidade dos órgãos femininos (não há o pornô "ginecológico" da Penthouse), menos ainda um ato sexual, digamos, convincente. Somente a sua simulação. E as atrizes desses filmes raramente são bonitas. Não posariam para a revista.

Lembrem a velha distinção: no pornô soft o ato sexual era simulado, no pornô hard seria real. Uma distinção muito ingênua, porque antes mesmo de se difundir a virtualidade da informática já era difícil triar, nas fotografias ou filmes, o que era encenado e o que seria autêntico. Mas, aqui, essa distinção se aplica, desde que lembremos que se aplica somente como mito. As mulheres realmente belas são inatingíveis, intangíveis, em suma, são in. As que fazem folia para usar o belo termo que o português medieval empregava para o sexo , as que folgam, as que brincam, não são as nossas deusas.

Por que essa hierarquia? O que se faz com isso é um pornô respeitável, que poderia diz a propaganda ser curtido pelo casal (quem sabe, no futuro, em família?). Aliás, por isso mesmo se fala em canais adultos, não em canais pornográficos. Isso lembra uma história de um amigo que esteve no norte da Tailândia, numa cidade que é a capital mundial do fake. Pois o dono de uma loja que vendia imitações de Louis Vuitton e Seiko lhe disse, com toda a seriedade: "Eu sou o único que vende imitações genuínas. Todos os outros vendem artigos falsificados". Há então o falso falso, e o falso genuíno. Da mesma forma, parece que há o pornô pornográfico e o pornô respeitável. Para quê?

Muitos perguntam o que distingue o erotismo da pornografia. Há várias conceituações, sendo que me soa simpática aquela que diz que a pornografia tem um lado mandatório, de mandar as pessoas a copiarem (Deleuze). Mas a distinção que me parece mais correta é a seguinte: a pornografia é o erotismo dos outros. Pornografia é termo pejorativo, erotismo é positivo. Pouca coisa é, em si, pornográfica ou erótica. Depende. Daí, talvez, que os canais de mulher nua se queiram integrar na área respeitável da sociedade. Daí, também, que difundam seu estilo para outros canais.

No começo de 2003 assim apareceu, no cabo, uma Fashion TV. É uma espécie de canal E! voltado para o mundo da moda. Mostra roupas e modelos. Mas um de seus principais ingredientes é que as modelos sejam belas e semi-nuas. Fazem especiais com elas. Insistem em seu glamour. O curioso é recebermos, no Brasil, uma programação latino-americana falada em espanhol e concentrada na Argentina, México, Colômbia sendo que tanto a língua quanto a cultura de nossos vizinhos infelizmente não angariam muita simpatia junto ao público desses programas. (Quem mais admira nossos irmãos hispano-americanos são os meios intelectuais, que dificilmente priorizarão esse canal).

E é quase indecente mostrar essa alegria desbragada de modelos argentinas num sonho, nada brasileiro, que é passear em Punta Del Este. A Argentina vive hoje talvez a maior crise de sua história, e enquanto isso se fala em festas e fashion. Mas festas não bastam para vender o canal. Ele tem um produto essencial, que é a semi-nudez.

Um comercial da Fashion TV é esclarecedor. Apresenta-se como a transmissão, ao vivo, de um assalto com reféns em Buenos Aires. O diferencial é que ele se dá numa sex shop, com o refém exibido pela janela, via satélite, enquanto segura um objeto pornô. Aí percebemos que se trata de um anúncio e vem a moral da história: compre seus artigos sexuais por telefone ou pela Internet, em vez de correr o risco de ser mostrado ao mundo todo em suas compras pouco ortodoxas.

É fabuloso esse anúncio. Começa misturando real e ficção. Diz ser ao vivo, mas é uma gravação, uma propaganda. Se fosse mesmo de verdade, seria exibido algumas vezes ao longo de um dia, e só. Como é ficção, reaparece constantemente. Não perde seu efeito com isso, porque é engraçado. Mas é também curioso que do pornô se extraia uma lição, melhor dizendo, uma moral da história.

Do que tradicionalmente seria imoral se retira uma moral, mas uma moral leve, sem muito rigor, apenas prudente. Ela diz: seja cauteloso, não exiba seus desejos, mantenha-os na esfera da sua privacidade. É uma espécie de alegoria da recepção do canal.

Mostrando-se esse anúncio, confessa-se que o canal é por trás de todo o discurso sobre modas e desfiles pornô light. Seu público quer ver roupas, e mulheres sem roupa. Mas pode fazê-lo de casa. E, sobretudo, pode fazê-lo com o pretexto das roupas. Exibi-las serve de justificativa para tirá-las.

Nossa moral da história, para concluir: nada contra a nudez, nem contra a pornografia a não ser, claro, que seja de menores ou exposta a crianças. Mas poderiam a nudez e a pornografia passar com menos desculpas? Poderiam os seus canais se preocupar menos em ser respeitáveis?

(Julho de 2003)